Este espaço é dedicadoao meu irmão e poeta

Alvaro José.

 1969 - 1983

 

Poema de Maio



Maio é o mes da paz


Maio é o mes da alegria


Maio é o mes do amor


Do primeiro ao ultimo dia



Primeiro o mes da paz


Pela nossa terra


No dia oito de maio


O fim da segunda guerra.



Depois vem o mes da alegria


Pela abolição da escravatura


Mostrando a todos nós


Que a maldade não dura



E por ultimo o mês do amor


Pelo que comemoramos


No dia das mães e das noivas


Pelos presentes que damos



E assim, eu vou terminando


Um poema para minha escola


Com muitos agradecimentos


Mesmo pra quem não deu bola.


 


Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 


 









 

 

Pai


Neste dia


Eu te ofereço


Esta poesia


Com a finalidade


De aumentar tua alegria.


 



Pai Heroi


Meu Grande Heroi


Meu Grande Amigo


Perco todo o medo


Quando estou contigo



Você me proteje


Sempre do perigo


Eu goetaris que todos


Te homenageasse comigo


Com essa pança cheia


De banha cerveja e trigo


Gostaria que tu soubesses


Que é verdade o que eu digo


 


Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 


 








Poemas do Amor



De que adianta viver


se não vives contente


De que adianta sorrir


se o sorriso não é estridente.



De que adianta justiça


se não é correspondida


De que adianta a paz


se não é garantida.



De que adianta tesouros


se eles não são seus


De que adianta ir a missa


se não acreditas em Deus.



Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 








Viver de Alegria



Para que a tristeza


ao invés da felicidade ?


para que um mundo tão ruim


ao invez da bondade



Não se humilhe nunca


não se ofenda por nada


só assim você verá


que não fazes nenhuma burrada



Não se apavore nunca


pelo preço dos alimentos


só pense nas coisas boas


a todo e qualquer momento



A tristeza envelhece muito


A alegria renova


basta você ser alegre


e encontrará uma prova



Viva pelo menos um dia


com alegria na mente


e você vera então


que viveras muito contente.



Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 








Em Busca de Alguém



Um dia eu haverei


de encontrar alguem


que goste de mim


e de mais ninguem


Mas se ela me deixar


nem estarei ligando


seguirei minha busca


sempre sorrindo e cantando


Com sorriso no rosto


irei procurar meu amor


mas enquanto não achar


eu verei o sol se por



Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 








O Monstro de Brasilia


 


Na vida de hoje em dia


existe um certo medo


com o mostro da carestia


chamado, João Figueiredo.


 


O dolar esta la em cima


embaixo encontramos o cruzeiro


assim vão acabar,


com todo o nosso dinheiro.


 


Mas nem estou para problemas


só quero aproveitar


enquanto em minha juventude


eu puder brincar.


 


Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 


 


 








Se eu tivesse uma varinha mágica



Se eu tivesse uma varinha mágica


Limparia o mundo inteiro


Tiraria a poluição do ar


Mesmo não tendo dinheiro.


 


Tiraria o que é ruim do mundo


Deixaria só a bondade


Ficaria um mundo novo


Mundo sem maldade


Sem assaltos e crimes


Tudo em paz nas cidades.


 


Enriqueceria os pobres


Tiraria de todos a dor


Mudaria o nome da terra


Para o mundo da paz e do amor.


Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos


 


 








Feliz aniversário


(Dedicado ao meu irmão)



Parabens, meu irmão


nesse decimo sexto ano


com amor no coração


meu querido mano.


Nessa comemoração


nun dia tão bonito


que melhor não acredito


que possa existir



Mas para ficar alegre,


o aniversariante,


tem que ficar feliz


e muito confiante,


de que, tudo que preocupa


que esta por diante,


será facilmente vencido


se tu ficares contente


se tu fores valente


para derrubar


os obstaculoe que estão por vir


Pois tu tens capacidade


tens inteligencia


e a tua conciencia


te ajudará


e te aconselhará


para que tu consigas


viver em um mundo melhor


Feliz aniversario.


Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos









A Chuva


Chove la na rua


Mas aqui esta quente


Vejo pessoas correndo


Ou andando repidamente



Estou na escuridão


As luzes estão apagadas


Já é tarde da noite


E as pessoas se molhando


E no meio de tanta àgua


Quase se afogando


E a meia noite


Sempre se aproximando



Mas na manhâ seguinte


Já estará tudo seco0


Desde uma avenida


Até o fim de um beco


Mas sempre com esse frio


Um frio congelante


Que só aquecerá


Com um sol radiante



Poeta: Alvaro José de Oliveira Martins


13 anos